Com Magrão inspirado, Sport e Cruzeiro ficam no 0 a 0

0
76
© Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.

De olho no confronto com o Palmeiras, pela Copa do Brasil, o Cruzeiro foi a Recife com o time misto e saiu da Ilha do Retiro com o empate por 0 a 0 diante do Sport. Apesar de não contar com titulares importantes, o time de Mano Menezes jogou melhor e ainda saiu na bronca com a arbitragem por causa de um gol mal anulado de Barcos. No final da partida, Raniel teve a bola do jogo, mas seu pênalti foi defendido pelo goleiro Magrão.

Com o resultado, o Cruzeiro empata pela terceira vez seguida, vai aos 33 pontos e pode perder a sétima colocação para o Corinthians. O Sport vai aos 24 pontos, iguala o Vasco, mas perde no saldo de gols, permanecendo no 17º lugar e abrindo a zona de rebaixamento.

Quem foi bem: difícil apontar um jogador que se destacasse em uma partida de baixo nível técnico até os 15 minutos finais de jogo. Mas no apagar das luzes o goleiro Magrão acabou fazendo a diferença e evitou a derrota rubro-negra em casa. Além de defender o pênalti de Raniel, o goleiro ainda teve outra boa defesa já nos minutos finais de jogo.

Quem foi mal: a atrapalhada de Vinicius Gonçalves Dias e do seu auxiliar Rogério Pablos Zanardo pode ter mudado o desfecho da partida. Os dois anularam um gol do Cruzeiro ainda no primeiro tempo. No lance, o assistente não havia acusado nenhuma irregularidade até fazer contato visual com o juiz (que também ficou na dúvida) e erguer a bandeira.

Felipão fecha treino e mantém mistério na véspera do clássico

Mascotinhos quebram protocolo com abraços no ‘titio Sóbis’. Pelo menos dois torcedores mirins do Sport que entraram com os jogadores antes de a bola rolar quebraram o protocolo e não deixaram o gramado logo após o hino nacional. Os mascotinhos foram ao banco do Cruzeiro para cumprimentar o ‘tio Rafael Sóbis’ (como o atacante é chamado pelos companheiros), que os recebeu com muita gentileza e retribuiu o carinho com abraços.Sport tem liberdade pelo alto, mas mostra pouca qualidade.

Os donos da casa até começaram a partida com mais apetite, mas sem a qualidade suficiente para marcar. Por duas vezes, sendo uma em impedimento, o Sport chegou com muita liberdade pelo alto, mas as finalizações de Durval não foram nada boas. Fora isso, as outras ações ofensivas do time não renderam chances reais de gol.Mesmo carente de armador, Cruzeiro é melhor e tem gol mal anulado.

Marcando bem a saída de bola dos anfitriões, o Cruzeiro mostrou superioridade numérica e teve mais posse de bola na maior parte do tempo, mas sentiu muito a falta de algum jogador para armar as jogadas. Sem Thiago Neves ou Arrascaeta, quem ocupou a faixa central foi Robinho, e o time só finalizou pela primeira vez aos 22 minutos. No comando do ataque, Barcos poderia findar o jejum de 10 jogos sem marcar, mas teve seu gol mal anulado em uma trapalhada do árbitro Vinicius Gonçalves Dias, que viu impedimento na jogada.

A etapa final pouco se diferenciou do primeiro tempo. Com o Sport ligeiramente melhor, as equipes atacaram na base da transpiração, mas ainda pecando na organização das jogadas. A entrada de Jair deu mais intensidade aos anfitriões. No lado da Raposa, Mano experimentou Raniel junto com Barcos, mas voltou ao esquema tradicional com dois pontas ao promover a entrada de David. Na prática, o time reagiu bem e passou a agredir nos últimos 15 minutos. Raniel foi um dos destaques positivos e participou da jogada que gerou o pênalti para a Raposa, mas ele mesmo bateu aos 40 minutos e parou na boa defesa do goleiro Magrão. 0 a 0 placar final.

Dos cinco pendurados do Cruzeiro na partida (Robinho, Egídio, Rafael Sóbis, Lucas Romero e Thiago Neves), Robinho foi o único amarelado e por isso não poderá jogar o clássico contra o Atlético no próximo domingo, no Mineirão.

SPORT

Magrão; Ernando (Raul Prata), Ronaldo Alves, Durval e Sander; Marcão Silva, Neto Moura (Jair); Andrigo (Mateus), Marlone e Rogério; Hernane. Técnico: Eduardo Baptista

CRUZEIRO

Fábio; Ezequiel, Léo, Manoel e Egídio; Lucas Silva, Bruno Silva e Robinho (Raniel); Mancuello, Rafinha (Evander) e Barcos (David). Técnico: Mano Menezes.

Estádio: Ilha do Retiro, em Recife (PE)

Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)

Cartões amarelos: Neto Moura, Jair, Ronaldo Alves (S); Robinho (C)

Público/Renda: 9.525 pessoas/53.460,00.

Com informações da Folhapress.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here