Agora já são 14 usinas de energia solar em pleno funcionamento no IFRN. Só em 2016 os geradores fotovoltaicos forneceram 1,6 GWh. Até então, eram 11 unidades do Instituto utilizando a tecnologia, o que significou redução de despesa da ordem de R$ 613 mil nas faturas de energia elétrica.

Com essa ação, o IFRN também evitou a emissão de 142 toneladas de CO2 ao longo do último ano.  De acordo com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), pelo menos 30% da energia elétrica consumida no IFRN deverá ser provida a partir de fontes renováveis até o final de 2018.

Na última terça-feira (23), a Instituição inaugurou o seu 14º gerador fotovoltaico, no Campus Mossoró, composto de 315 módulos fotovoltaicos de 265 Wp (silício policristalino) e 4 inversores trifásicos de 20 kW, gerando uma potência máxima de 83,4 kW.

Os painéis foram montados sobre parte das coberturas das salas de aula do Bloco D.  De acordo com o Engenheiro Eletricista Franclin Robias Junior, o mini gerador tem capacidade de produzir aproximadamente 133 MWh/ano, o que representa uma economia de R$ 49 mil ao longo dos primeiros 12 meses de funcionamento.

“É importante destacar que a expectativa de economia acompanha a variação do custo da energia elétrica ao longo do tempo, ou seja, quanto maior o custo da energia, maior também a redução de despesa em valores absolutos. A energia gerada cobrirá aproximadamente 13% da necessidade do Campus, tomando como referência o consumo registrado nos últimos 12 meses, além de evitar a emissão de 11 toneladas/ano de CO2 na atmosfera”, afirmou.

Investimentos continuam

Nas próximas semanas será dado início ao processo de ampliação de geradores fotovoltaicos que já estão em funcionamento. Aqueles instalados na Reitoria e nos campi Santa Cruz, Zona Norte, que vão receber mais 27,8 kWp. O do Campus Mossoró, por sua vez, vai receber mais 55,6 kWp. Os projetos desses geradores estão na COSERN para análise.

Em breve, outros 7 geradores serão instalados nos campi Apodi, Cidade Alta (Unidade Rocas), Ipanguaçu, Macau, Nova Cruz, Parnamirim e Zona Norte, totalizando mais 798 kWp fotovoltaicos de geração distribuída no IFRN. A expectativa é ultrapassar a marca dos 2 MW instalados no início do próximo semestre.

Pioneirismo

Com a instalação de seu primeiro gerador fotovoltaico, em 2013, o IFRN se tornou a primeira instituição pública de ensino do Brasil a aderir ao sistema de compensação de energia regulamentado pela Resolução Normativa 482/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL.

De acordo com essa Resolução, um consumidor de energia elétrica que instale pequenos geradores em sua casa, condomínio ou empresa (como, por exemplo, painéis solares fotovoltaicos e pequenas turbinas eólicas) pode utilizar a energia gerada para abater o consumo de energia elétrica da unidade. Quando a geração for maior que o consumo, o saldo positivo de energia poderá ser creditado na fatura dos meses seguintes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui