As oficinas de costura localizadas em São José do Seridó, no interior do Rio Grande do Norte, receberam nesta quinta-feira (30) a visita do secretário especial da Previdência e do Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho; do presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiern), Amaro Sales de Araújo; do diretor superintendente do Sebrae, Zeca Melo; e do empresário André Street.

O principal momento da programação foi na comunidade Caatinga Grande, na zona rural de São José do Seridó, onde eles conheceram uma unidade de fabricação que é parceira da Guararapes. Depois, houve a visita à Unidade Móvel de Formação Profissional do Senai, que está desenvolvendo cursos de qualificação para costureiros do município.

As oficinas de costura de São José do Seridó integram o Programa de Industrialização do Interior, o Pró-Sertão, idealizado por Rogério Marinho quando ele foi secretário de Desenvolvimento Econômico do RN. Desde o início, a Fiern é parceira do projeto e participa diretamente com serviços do Sesi em saúde e segurança no trabalho e com promoção de cursos profissionalizantes do Senai.

“Faz parte do planejamento estratégico da Fiern o fortalecimento do Pró-Sertão”, destacou Amaro Sales. O presidente da Federação das Indústrias enfatizou outros potenciais do Seridó: a confecção, a tecelagem, a pecuária, os laticínios. “A presença do secretário da Previdência e Trabalho Rogério Marinho, de empresário e investidores, Sebrae, Fiern, Senai, traz expectativas de novos negócios e de fortalecimento da indústria no interior do Estado”, reforçou Amaro Sales.

A expectativa para os próximos meses, segundo o presidente da Fiern, é de ações mais integradas e fortalecidas, em um ambiente de negócios com segurança jurídica.

Na comunidade Caatinga Grande, o secretário da Previdência e do Trabalho, Rogério Marinho, anunciou investimento que promete alavancar ainda mais o setor têxtil no Seridó. “Nós conseguimos convênio de R$ 10 milhões que vai permitir a compra do maquinário necessário para implantação da Central de Cortes, em Parelhas. Isso possibilitará que os produtores locais também empreendam com marcas próprias”, destacou Rogério Marinho.

O secretário do Ministério da Economia também compartilhou a ideia de também implantar na região do Seridó uma Central de Comercialização que possa gerar mais emprego, renda e oportunidades para a população. “É um passo adiante que agrega valor à produção local das oficinas de costuras e permite um passo adiante na moda própria”, afirmou Rogério Marinho.

Hoje, o Seridó tem a maior concentração de oficinas de costura integrantes do Pró-Sertão. Segundo a Associação Seridoense de Confecções (Asconf), a capacidade de produção diária da região é de 40 mil peças. Os principais clientes são Guararapes e Hering.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui